Programa Nacional Conexão Startup Indústria - Um Novo jeito de Fazer Política Pública


Programa Nacional Conexão Startup Indústria - Um Novo jeito de Fazer Política Pública

O Brasil enfrenta hoje grandes desafios relacionados à inovação, produtividade e competitividade da indústria nacional. O ritmo de evolução tecnológica acelera ainda mais essa busca da competitividade da indústria no País. Assim, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), instituição vinculada ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, está em uma constante busca por soluções eficazes e inovadoras capazes de enfrentar esse cenário.

Neste contexto, o desenvolvimento de inovações via startups tem se mostrado como uma das alternativas para alavancar a inovação e produtividade da indústria. Como empresas inovadoras, as startups estão em um processo de aprendizado constante na busca de um modelo de negócios que possa ser viável, repetível e escalável. Tais empresas, além de lidar com as incertezas comuns no mercado como a existência de clientes para o produto, a lucratividade do modelo de negócios e também se é possível implementá-lo, têm ainda de lidar com um cenário de total inexistência de um referencial, de um benchmark de suporte e inspiração que possa guia-las rumo a um caminho de sucesso. Por essas razões, toda startup é um empreendimento de alto risco.

Assim, tem-se verificado que esses empreendedores têm sido capazes de implementar uma estratégia acelerada de aprendizado, em ambientes de risco e com mudanças rápidas. Isso é necessário pois o ciclo de vida dos produtos tem sido cada vez menor. Entretanto, o grande desafio para essas empresas nascentes é o market fit, ou seja, o desenvolvimento de um produto que atenda a uma necessidade do mercado. Por outro lado, as mudanças na indústria demandam tempo, grandes investimentos e têm baixa tolerância a riscos.

A ABDI considera que a parceria entre startups e indústria podem alavancar a inovação no Brasil. Startups podem ser a ponte para ajudar as indústrias a buscarem novos negócios e a criar novos produtos e resolver problemas de forma mais inovadora. Por sua vez, a indústria oferece às startups o que elas mais precisam: acesso ao mercado e co-desenvolvimento.

A solução encontrada para trabalhar com o máximo de eficiência de recursos financeiros, econômicos e humanos, dentro do menor tempo possível, com grande nível de incerteza, foi a adoção de metodologias ágeis para a formulação de políticas públicas, gestão de projetos e organização do trabalho, em um ritmo acelerado de aprendizado.

A Gerência de Inovação da ABDI se propõe então a atuar como uma startup, com o objetivo de transformar uma visão de produto, uma ideia, em algo palpável e consumível por um determinado mercado, resolvendo assim um problema ou demanda real da indústria. Para alcançar esse objetivo a Gerência renasce da ideia de conexão entre startups e indústria e se transforma em uma startup, desenvolve uma série de MVPs, o Mínimo Produto Viável, que é a versão mais simples de um produto que pode ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento, para identificar problema - cliente; problema - solução e validar hipóteses, e lança o primeiro MVP do Programa Nacional Conexão Startup Indústria.

As metodologias tradicionais adotadas pela ABDI, principalmente o PMBOK (Project Management Base of Knowledment), que é um guia de boas práticas, contendo diversos processos e ferramentas úteis na gestão de projetos, são utilizadas também no processo de formulação de ações, políticas e programas, quando há um ambiente de certeza das diretrizes a serem tomadas. Essas metodologias tradicionais de gestão de projetos demandam um alto grau de conhecimento e uma intensa fase de planejamento.

Diante do cenário de incertezas e da necessidade de atuar rapidamente nos problemas levantados, foram adotadas metodologias ágeis dentro da Agência com os seguintes objetivos:

  • Trazer para ABDI uma nova abordagem de gestão de projetos para a concepção de programas de inovação, tendo em vista a velocidade de mudanças conjunturais, políticas e tecnológicas e de mercado.
  • Buscar ferramentas de formulação de políticas públicas que sejam adequadas a ambiente de incertezas
  • Implantar metodologias ágeis e eficientes de gestão no processo de formulação de políticas públicas.
  • Implantar metodologias ágeis e eficientes de levantamento de problemas e proposição de soluções
  • incorporar de forma estruturada as demandas dos beneficiários finais do programa.

Foram utilizadas as seguintes metodologias para a construção do Programa:

  • Gerenciamento Ágil de Projetos - permite a produção de resultados menores com mais freqüência e eficiência, com decisões colaborativas, contínua integração e incorporação de alterações tornando-se uma opção para equipes que trabalham no desenvolvimento de produtos, programação, análise de negócios e outras áreas de colaboração. O uso dos conceitos e princípios da mentalidade ágil direcionaram o processo de formulação do programa, caracterizando o processo, assim, como Agile Policy Making.
  • Customer Developmentde Steve Blank, que é o modelo de desenvolvimento de clientes, é uma ferramenta adequada à realidade de iniciativas inovadoras, porque dá especial atenção ao processo de busca do encaixe entre produto e mercado, de maneira interativa e dinâmica. Antes de executar um plano detalhado, o objetivo é encontrar um problema relevante e verificar a validade das soluções propostas.
  • Lean Startup, de Eric Ries, que introduziu o conceito de lean startup como uma metodologia de aprendizado contínuo. Por meio de ciclos de interação iterativos entre cliente e empreendedor, descobre-se mais rapidamente modelos de negócio eficazes que realmente geram valor ao mercado. A metodologia apresenta ao empreendedor alguns novos conceitos, como o MVP (Minimum Viable Product), a ideia de pivotar e métodos mais ágeis de interação com clientes.
  • Há ainda o modelo de pesquisa dos problemas e soluções, baseado no conceito de Design Research, em que o conhecimento e a compreensão são adquiridos durante a construção e aplicação dos instrumentos escolhidos.
  • Outro instrumento que foi adaptado a essa abordagem ágil e voltada ao aprendizado foi o uso de painel de indicadores ou dashboardsO uso de painéis de indicadores não é novo, mas sua aplicação nos processos de desenvolvimento de clientes e do lean startup é bastante eficaz.

O processo de concepção do Programa Nacional Conexão Startup Indústria foi realizado pela equipe da Gerência de Inovação da ABDI, porém para alcançar os objetivos de levantamento de hipóteses de problemas todas as áreas técnicas da Agência foram envolvidas, em maior ou menor grau.

No processo de concepção do Programa foram utilizados conceitos de Lean Startup, Customer Development e Design Research, bem como a utilização da ferramentas de gestão como SCRUM, baseada na execução de prioridades semanais, ferramentas de acompanhamento de entregas como KANBAN e ASANA, (kanban online).

Considerando o processo de digitalização da economia e seu impacto na competitividade da indústria, a ABDI constatou que a interação entre startups e indústrias pode ser estratégica para o desenvolvimento da inovação na indústria.

A inexistência de experiências comprovadas desse tipo implicou o aumento da incerteza na formulação do Programa. A opção por abordagens como o desenvolvimento de clientes (Steve Blank), o the lean startup (Eric Ries), métodos ágeis de gestão de projetos representou um método eficaz para lidar com incertezas, uma estratégia eficiente de engajamento e empoderamento da equipe e um novo modelo de formulação de programas.

Em uma abordagem sistemática de interação, foram mobilizados mais de 1000 (mil) participantes em uma série de etapas de validação de hipóteses até chegar no modelo piloto de lançamento. Tudo isso em um ambiente interno de aprendizado colaborativo e de organização do trabalho.

O resultado foi a concepção do Programa Nacional Conexão Startup Indústria em tempo recorde na formulação de políticas, cinco meses, com escassos recursos de marketing, obteve adesão massiva de indústrias estratégicas para o Brasil, startups e entes do ambiente de capital de risco, aceleradoras e incubadoras. No total foram 49 indústrias, 225 startups e 20 instituições de apoio ao desenvolvimento de negócios inscritas na iniciativa.

O Programa desperta grande interesse no cenário nacional e internacional, já é considerado o terceiro maior Programa brasileiro no fomento de startups e indústrias e único em seu formato de codesenvolvimento.

A tabela a seguir apresenta um breve comparativo entre a adoção de metodologias tradicionais versus metodologias ágeis na formulação de políticas.

O uso de metodologias ágeis para a formulação do Programa trouxe grandes ganhos para o processo interno da ABDI, a seguir são listados as vantagens diretas mapeadas.

  • Maior eficiência na formulação de políticas públicas;
  • Redução de, pelo menos, 40% do uso de recursos financeiros, humanos e econômicos na construção da iniciativa
  • Uso intensivo de métodos colaborativos;
  • Uso de metodologias mais eficientes para a entrega de soluções, como o MVP (Mínimo Produto Viável).
  • Uso do ciclo de validação - “construir - medir - aprender”.
  • Incorporação e adaptação das novas metodologias de gestão à metodologia de projetos da ABDI;
  • Foco nos problemas/demandas reais dos beneficiários finais do Programa;
  • Interações preliminares e constantes com os beneficiários finais;
  • Concepção de um Programa inovador, com qualidade de dados, em um tempo exíguo de cinco meses.
  • Capacitação e engajamento da equipe em metodologias modernas ágeis de formulação de políticas e de gestão.
  • Mobilização de mais de mil players do mercado somente na etapa de construção da iniciativa;
  • O Programa funciona como um hub  na rede de organizações, políticas públicas e iniciativas de apoio às startups, pois o PNCSI ao apresentar demandas reais das indústrias às startups, fortalece o ecossistema;
  • Peça complementar em ações, programas e políticas da administração pública, pois conecta a necessidade da indústria em manter-se competitiva com a agilidade e alta capacidade de buscar soluções inovadoras por meio das startups.
  • Seguindo os princípios do Lean Startup (startup enxuta), a execução do trabalho foi realizada com base na premissa de executar somente o essencial e com a maior geração de valor possível para o cliente.
  • A criação e lançamento do Programa demonstraram ganhos em eficiência em recursos humanos, financeiros, administrativos e tecnológicos.
  • A adoção da mentalidade ágil para o processo de formulação de política pública constitui uma nova competência da agência. Mais que isso, as metodologias de interação com os atores oriundas desse novo modelo organizacional, também são incorporadas às práticas e processos de articulação da agência.
  • A economia no tempo, um dos recursos mais escassos, foi otimizado em função de uma abordagem estruturadas de aprendizado e de formulação permitindo uma construção de um programa de forma ágil, com coleta de dados com o beneficiário final, evitando ajustes futuros, é acompanhada pela redução na utilização de recursos econômicos (pessoal envolvido e custo fixo) e financeiros. O impacto também é notado na simplificação dos processos, que evita o retrabalho e a otimização dos esforços, haja vista que as ferramentas colaborativas permitem a interação e operação da equipe em tempo real.
  • Transparência: Todas as informações sobre a evolução do Programa podem ser acompanhadas na página do Programa na internet: www.conexaostartupindustria.com.br .Para cada estágio de desenvolvimento do Programa foi gerado um relatório com todos os envolvidos e as metodologias utilizadas, a partir da coleta de dados em diários de bordo. Esses relatórios estão disponíveis na página do Programa, bem como nas redes sociais Facebook e Linkedin, onde foi dada total publicidade aos andamentos das etapas de construção. Foi também disponibilizado e-mail [email protected] para a interação direta com o público-alvo da iniciativa, bem como para responder quaisquer dúvidas que surgirem.
  • Em todo o processo de criação do PNCSI, conforme explorado anteriormente, foram utilizadas metodologias e ferramentas colaborativas de gestão, como o SCRUM e o ASANA. Na ferramenta online ASANA é possível um acompanhamento minucioso de todas as atividades necessárias para alcançar os marcos semanais de evolução do Programa. De fato, é um dos meios mais transparentes de acompanhamento da utilização dos recursos públicos.
  • O modelo do Programa prevê resulta em um produto replicável e escalável. Para tornar todo o processo replicável, a Gerência de Inovação tem adotado metodologias de registro, como diários de bordo, cadernos de referências e a ferramenta ASANA. Toda documentação é pública e está disponível para consulta.
  • É possível trabalhar de um jeito diferente, mais moderno, mais eficiente, mais eficaz, impactando positivamente os beneficiários de políticas políticas e o uso dos recursos públicos e a ABDI está provando isso.

Mas o que startups significam para a sociedade? A inovação nunca é simples, linear. Nossa ascensão rumo à era da informação vai invariavelmente nos levar a desvios e escorregões. Por esse motivo precisamos de coragem. Da coragem de mentes destemidas e conectadas com as necessidades da sociedade em constante ebulição e evolução. A avaliação de dados precisa ser objetiva, racional e audaciosa. Precisamos de ciclos de crescimento mais ágeis com mais eficiência e inovações disruptivas para potencializar o desenvolvimento tecnológico. Startup é um novo jeito de encarar e resolver os problemas. É um caminho sem volta e é preciso acompanhar esse processo.




Por
22/08/2018


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!